Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Finalmente fui à Chiqueda

por Trilhos Sem Fim, em 06.04.08

A povoação de Chiqueda integra-se num local único. O vale cavado pela Ribeira do Mogo na Serra de Candeeiros é dominado por vegetação luxuriante, por onde serpenteia o pequeno curso de água.

O local é visitado por um elevado número de visitantes, fazendo fé nos trilhos bem delimitados ao longo da ribeiro, na sombra da vegetação.

Iniciámos o passeio. Instantes após a partida uma subida íngreme levou-nos ao interior da floresta. Por entre pequenos carreiros onde apenas cabia um ciclista, percorremos cerca de 20 Km .

Um traçado de dificuldade média, tanto física como tecnicamente . Algumas subidas com inclinação moderada, mas com alguma pedra foram facilmente ganhas por todos os 19 elementos do grupo.

As descidas a exigir alguma atenção foram facilmente ultrapassadas. No final de um dos troços uma rampa a 45º permitiu testar a confiança de todo o grupo, como se pode ver no filme.

Já de regresso, em velocidade acelerada descemos os 3 Km que nos levaram até à povoação. Nem demos pela passagem pelo do poço Suão, tal era o prazer de desfrutar a frenética velocidade por entre a vereda. Pois fiquem sabendo que o Poço Suão é a reserva preciosa da água que abastece Alcobaça. 

Todos os sentidos apurados para distinguir os aromas, ouvir chilrear dos pássaros e sentir a brisa que nos acalmava o calor.

Subitamente o inesperado! Um pneu abandonado? Como é possível isto acontecer num local tão belo e inacessível para automóveis?

Continuámos a marcha. Logo ali a ribeira já sem água, mas invadida pelo verde da vegetação . Espanto total e inédito. Dentro da ribeira duas enorme rodas de um Dumper ", ainda com o eixo. Inadmissível!  Mais adiante jazia o dito dumper " a ser corroído pelo tempo. Não é possível !

Admito com dificuldade que exista uma pedreira num local tão belo, o que não aceito é que os interesses económicos se sobreponham ao respeito pelo ambiente. Fica mais dispendioso retirar o dito dumper , do que comprar um novo? E a natureza, quanto vale? Pelo que podemos observar pelos lados da Chiqueda vale pouco!

Não se deixem enganar porque a riqueza da Chiqueda está nas pessoas e na beleza do ambiente natural, e essa tem um valor incalculável .

O passeio continuou até à aldeia. Ficou a sensação reconfortante de uma manhã bem passada. Não fosse aquela pequena nódoa teria sido uma manhã perfeita.

Recomendo o passeio e sei que lá iremos voltar inúmeras vezes .

Rui

As fotos

 

O vídeo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

Fonte: http://www.jf-aljubarrota.pt/Prazeres/localidades/pa_localidades_chiqueda.htmChiqueda espera por nós!

Depois de no último Domingo uma equipa de exploradores do grupo "Trilhos Sem Fim" ter conduzido com um retumbante sucesso a expedição à Chiqueda , chegou a hora de se deslocar às terras de Cister a Assembleia Geral do Trilhos Sem Fim.

O enriquecimento cultural será deveras interessante já que será a oportunidade de nos aventurarmos no Maciço Calcário Estremenho, a região cársica mais importante do país. Como sabem , podem diferenciar-se no maciço três subunidades , sendo uma delas a Serra dos Candeeiros, onde se situa a Chiqueda .

Aí desemboca o Vale da Ribeira do Mogo , encaixado em solos predominantemente calcários, que com as águas provenientes da depressão da Ataíja , mantêm o caudal permanente desta ribeira.

Na origem do topónimo de Chiqueda poderemos considerar a lenda em que D. Afonso Henriques ao chegar a esse vale e achando o local propício para nele se instalar o Mosteiro, mandou parar a sua comitiva e terá proferido as seguintes palavras, chiu ! Quêda ! ou chio-quêda ”, (queda de quedar, parar). Infelizmente para Chiqueda, o mosteiro foi mandado construir em Alcobaça.

Estou certo de que após observação cuidada do post anterior e com uma vontade insaciável de enriquecer os conhecimentos em geologia não irão faltar a este evento.

Então vamos:

Encontro no dia 6 de Abril às 8H00M , impreterivelmente , junto ao Rio Lis (39°45'2 N    8°48'33"W), perto do complexo de piscinas municipais. 

O transporte das bikes é da responsabilidade de cada participante

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:51

Jornal de Meirinhas

por Trilhos Sem Fim, em 02.04.08

Na sua edição de Março, o Jornal de Meirinhas faz referência ao passeio do grupo Trilhos Sem Fim à zona de Colmeias e Agodim.

Rui

Clique na imagem para ampliar

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:52

Pág. 3/3



Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Visitantes

Site Meter

Os meus visitantes