Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comemorámos o dia 25 de Abril!!!

por Trilhos Sem Fim, em 25.04.10

O passeio do dia 25 de Abril foi feito num ambiente festivo. Era domingo e o grupo estava reunido.

Depois de alguma indecisão resolvemos subir a estrada íngreme que nos levou de S. Romão ao Casal dos Matos. Este inicio súbito a subir era um mau presságio para aquilo que nos esperava, disse alguém. Pois era.

Terminada a subida foi tempo de esperar para reagrupar. Dirigimo-nos ao Souto e antes da auto-estrada metemo-nos no trilho que serpenteia ao longo da dita A1. Subidas e descidas sem parar no seio da natureza. Passámos o túnel e fomos observar a Caranguejeira a partir do miradouro do Souto de Cima. Uma paisagem arrebatadora!

Finalmente a descida! Um espanto, até os calços cheiravam a queimado.

Dos Cardosos fomos ao Arrabal, passando pela mata de carvalho e pelo caminho empedrado.

Pensámos em descer o galinheiro e lá fomos. Depois foi aproveitar a descida, dobrar as curvas e evitar as pedras.

Uns cansados, outros nem tanto, era chegada a hora de regresso.

Mais outro dia bem passado.

Rui

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:31

Passeio de Domingo, 18/4/2010

por Trilhos Sem Fim, em 18.04.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

Os Trilhos Sem Fim orientados

por Trilhos Sem Fim, em 18.04.10

O Clube de Orientação do Centro (COC) organizou uma prova de Orientação em BTT, a contar para o Ranking Mundial da Modalidade - WRE. – 17 e 18 Abril 2010 e "Os Trilhos sem fim" estiveram lá representados pelo Grazina o Máximo e o Cláudio, estreantes nesta modalidade, e tendo apenas efectuado uma prova de treino no passado dia 2 (ver crónica) conseguiram o 9º lugar na classificação de hoje, o 2º dia, tendo obtido a classificação de 13º em 21 na classificação geral dos 2 dias, classe OPT long.


Ficámos com o sentimento de missão cumprida, e satisfeitos com as nossas capacidades de orientação, não tão satisfeitos como poderíamos ter ficado, não fosse o percalço do primeiro dia, Sábado, que nos custou certamente algumas posições na tabela final. Mas a vida é mesmo assim, vivendo e aprendendo, e uma coisa nós aprendemos, é a ler como deve de ser, e esclarecer as regras da prova antes de a iniciarmos, aliás uma regra básica, mas como inexperientes que somos e mal informados que estávamos, julgámos ter apenas 90 minutos para a cumprir. Com base neste pressuposto, dirigimo-nos para a meta com apenas 4 dos 10 pontos marcados. Mais tarde, descobrimos o porquê de tão poucos atletas e gente na zona de chegada! É que afinal fomos dos primeiros a chegar, pois ainda disponhamos de mais 90 minutos para acabar a prova, enfim..., depois de nos rirmos com a situação, pois nestas coisas a melhor atitude é levar na desportiva, até porque já neste blog se disse, os "trilhos sem fim" participam, não competem, lá fomos levando a situação no gozo. No entanto, ao fim da tarde de Sábado e ao vermos as classificações, verificámos que quando fizemos o 4º ponto, íamos em 3º lugar. Ora bem, ir com um andamento destes e "desertar" já não tem tanta piada, mas logo pensámos, amanhã é de vez, e assim foi!

A prova de hoje correu-nos bem, não nos enganámos em nenhum ponto, os trajectos escolhidos foram bons, e como equipa funcionámos bem, reunimo-nos e tomámos as decisões com consenso quando surgiam dúvidas, e rapidamente, quão rápido as nossas pernas nos deixavam, nos dirigíamos ao próximo ponto. Não houve quedas nem avarias, os suportes do mapa, provaram a sua robustez e funcionalidade, a chuva não nos incomodou, divertimo-nos e mesmo com o percalço de ontem, conseguimos um modesto 13º lugar em 21.

 

Resta dizer que a prova decorreu na Caranguejeira, sendo uma grande parte do percurso no ninho de águia. Estiveram presentes inúmeros atletas internacionais, não conseguindo no entanto obter o 1ªlugar, que foi para o campeão nacional, Daniel Marques. Julgo eu, pois a tabela de classificações está dividida em diversos escalões, e não é assim tão fácil de interpretar, mas é o que consta.

 

Acabada a jornada, concluímos que haverá certamente uma próxima participação neste tipo de provas, e iremos ler as instruções todas em pormenor. Concluímos também que temos de ter melhores perninhas, o que só se ganha com treino, por isso deixo aqui o desafio para começar-mos com os nossos treinos nocturnos à 5ª, como no verão passado.

 

Missão cumprida, mas com muito a melhorar!

Cláudio Costa


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:27

Geo-Raid - S Pedro do Sul

por Trilhos Sem Fim, em 13.04.10

Pelo 2º ano consecutivo o grupo BTT Trilhos Sem Fim teve uma equipa a participar no Geo-Raid. O Rui e o Nuno, fervorosos adeptos, fizeram a inscrição na primeira hora e obtiveram o dorsal nº 9. Como no ano anterior fizeram os treinos na medida do que a actividade profissional lhes permitiu.

Os companheiros do Trilhos Sem Fim não se cansaram em incentivar a participação e de desejar boa sorte na véspera e no dia da prova. Sei que ansiaram por saber o resultado da participação. Infelizmente este ano ficou muito aquém das expectativas.

Sabíamos que o esforço a despender estava no limiar do que tínhamos para dar, mas a motivação, a dedicação que damos àquilo a que nos propomos e o verdadeiro espírito amador neste desporto fez-nos supor que atingiríamos o objectivo.

No dia 10, bem cedinho, alinhámos na box e partimos em direcção a São Macário e Serra da Freita, com a esperança de voltar percorridos os 111 km.

A ansiedade e o nervosismo deram lugar ao entusiasmo, mal foi dada a ordem de partida.

Na minha memória estão alojada as imensas cores cheiros e emoções que vivi nesses dois dias em plena natureza. Recomendo uma visita ao post feito no ano anterior (post 2009)

Mesmo que queira contar o que vivemos não o consigo fazer por agora. Arrelias!

No 2º dia da prova fomos vitimas de uma injustiça. A equipa do Trilhos Sem Fim considera-se uma forte defensora de princípios, sendo o da confiança na palavra um deles.

Ficámos alojados num hotel, que por agora omito o nome, que nos causou um grande contratempo. Desde a primeira hora que tive dificuldade no acesso ao quarto que me foi atribuído. Logo na primeira utilização tive que ir três vezes à recepção para trocar de chave magnética, mas a situação grave, inadmissível e intolerável, veio a acontecer no dia 11 de manhã, antes da partida para a 2ª etapa da prova. Após regresso do pequeno ao almoço dirigi-me ao quarto para levar os sapatos de btt, o capacete, luvas, alimentos, etc. Pasme-se, não consegui abrir a porta. A funcionária do hotel usou todos os meios ao seu alcance, desde vários cartões ao aparelho eléctrico, mas a porta permaneceu sempre fechada. Imaginem a situação de stress que vivi, sabendo que o meu colega de equipa não podia partir.

Passados quase 30 minutos eu continuava fora do meu quarto com os pertences que necessitava para iniciar a minha prova dentro dele.

Para agravar a situação, a porta foi aberta com a chave do utilizador que ocupava o quarto em frente ao meu, por sinal membro do staff do geo-raid. Onde está a segurança? Para que serve a chave?

Apercebendo-se do meu desalento, a tal senhora do staf propôs, entre outras soluções, que o tempo que eu perdesse na partida, me seria bonificada no final. Concordei. Partimos com 20 minutos de atraso. Fizemos todo o percurso fazendo os cálculos do tempo no pressuposto que teríamos a tal bonificação. No 3º e ultimo controlo, aos 62 km com apenas 10 para percorrer, chegamos com  1 ou 2 minutos de atraso. Fomos desclassificados!

Após contacto com a direcção da prova e relembrando-lhe o acordo feito antes da partida, foi inflexível. "Uma organização séria não pode abrir este tipo de excepções", disse.

Partindo do principio da sinceridade e da honestidade, que me prezo seguir, não aceito que alguém com pouca sensibilidade para avaliar situações que envolvem pessoas e por conseguinte emoções, neste caso exponencialmente multiplicada pelo esforço físico e psicológico dispendido, tomem uma decisão fora de contexto e daquilo que tinha sido acordado. As regras podem ser de ouro, de fácil compreensão, ou mesmo rígidas, mas aquilo que distingue a organização é a capacidade do líder para as interpretar. Neste caso faltou a sensibilidade e a arte de honrar a palavra dada. Sobrou a arrogância e a prepotência.

Fomos desclassificados e injustiçados, não quero ouvir falar mais de geo-raid!

Já agora vejam as imgens

 

Rui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:21

Grande passeio de 11 de Abril

por Trilhos Sem Fim, em 08.04.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:59

Pág. 1/2



Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Visitantes

Site Meter

Os meus visitantes