Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Pedidos de Equipamentos – TSF 2016

por Trilhos Sem Fim, em 28.04.16

 

Artigos

Preço

Summer tec Pro (ref. 178):

Camisola de manga curta

28€

Summer plus (ref. 172):

Camisola de manga comprida

30€

Casaco Hardtime (ref. 246):

Casaco de inverno

58€

Raintex (ref. 240):

Impermeavel

41€

Calção Race rekord (ref. 052):

Calção qualidade A

35€

CalçãoScorpion rekord carb (ref. 066):

Calção qualidade A+

44€

Calças Anatomic Rekord (ref. 087):

Calças

41€

 

 

 

A pedido de muitas famílias, vão se comprar novos equipamentos dos Trilhos sem Fim à Fullwear.

A versão será a mesma da última encomenda realizada.

O procedimento para aquisição de material passará pelas seguintes fases:

 

1ª FASE – Pedidos de material através do seguinte link: (fechado)

2ª FASE – Será enviado um e-mail aos requisitantes para reconfirmar os dados enviados. (fechado)

3ª FASE – Foi enviado um e-mail para os requisitantes com o NIB para efetuar o pagamento.(fechado)

 

Em curso o pagamento à fullwear e dado ínicio à produção do equipamento.

 

4ª FASE – Entrega do equipamento no final do mês de Maio......... (talvez????)

 

Caso não sejam respeitadas as datas, o pedido de equipamento será anulado.

 

Dep. Logístico

Graza

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:02

Como a 24 de Abril não há motivos para comemorações vivemos neste dia mais um de

muitos em que fruição, liberdade e camaradagem são não somente palavras mas actos

constantes de companheirismo e de gozo saudável e sem limites!

Num domingo que antecedeu a comemoração do 25 de Abril e que sucedeu ao

desaparecimento da lenda viva chamada Prince vivemos quiçá o primeiro dia de

primavera a sério em que as descidas – e tantas e tão fortes subidas para as alcançar...

– foram possíveis sem risco elevado mas só com alguns riscos pouco direitos que a

irregularidade do piso não permitia linhas directas nem suaves. As suspensões

hidráulicas funcionaram até aos máximos e as suspensões corporais e de primeira linha

também! Tanto na primeira descida do alto das antenas para a estrada Reguengo a

Fátima (perto da pedreira) quanto na segunda que nos levou junto ao cemitério desta

localidade (vibroplate) havia inúmeras pedras a tentarem travar-nos sem que

tivessem conseguido lograr tal suposto objectivo com nenhum dos trilheiros que as

desceram!

Estas pedras criaram dificuldade e não foram colocadas por nenhum sacana nem filho

da mãe mas sim pela mãe natureza que é nossa amiga e inventou estes caminhos há

séculos para hoje podermos gozar ainda mais a praticar este misto de desporto e

recreio designado de Btt.

Assim, podemos hoje ter uma crónica menos poluída, acutilante e provocadora...

O CM não veio, nem o RG, o JC, HM ou o CC e não sabem o que perderam! Não vieram

estes mas veio de novo o Ricardo e repetiu com galhardia o Grazina! Já não se dá por

ele...

Mesmo sem terem participado foram lembrados particularmente durante o período

ligeiramente superior a uma hora em que esperamos pelo DA que não conseguiu

identificar à primeira o eucalipto e o cotovelo indicados pelo AF para a reunião. Ainda

bem que foi o AF e não qualquer outro a fazê-lo... No final, decretou o AF que o DA

terá que fazer uma reciclagem de orientação. Desculpas...

Ficámos a saber que o nosso RPF não tem qualquer ligação ao Fonseca do Panamá.

Na semana passada o CC falhou por não ter feito referencia às subidas muitas por isso,

e agora, repetimos: não subimos assim tanto mas descemos como o raio! Decifrem...

A última etapa, cumprida por nove dos dez, fez-se sem dificuldade e com muita

frescura negra.

Alipio Lopes

Clicar para ver fotos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:59

As médias de participantes continuam a recuperar. Hoje fomos treze e ninguém vacilou perante o número. Todos acreditam mais na perícia própria e no treino que nos ditames de quaisquer destinos deterministas e pouco racionais. Prova disso mesmo é que há dias em que o número é diferente e há sobressaltos e hoje foi das manhãs mais tranquilas de Btt que poderíamos pedir.

É daqueles dias em que não ficou muito para dizer, para além de termos escapado à chuva que chegou a ameaçar.

Ainda assim, depois de mais de 40 kms e 800 metros de acumulado, cabe referir o seguinte: 

  1. Fazer provas extremas de mais de 160kms deve fazer muito bem, que o nosso director está fino como um alho, particularmente a subir, depois da esfrega que levou em Serpa no passado fim de semana;
  2. Que finalmente, apareceu alguém credível (mas ainda não ratificado...) para substituir o FC na função de segundo homem PRESS (sem direito a braçadeira!);
  3. Que A --------ICE e, quiçá melhor, a filha da p----, não tem limites na nossa região. O trilho que chega ao entroncamento que dá para o Reguengo (à direita) e para o Celeiro e Reixida (à esquerda) foi adornado com enormes calhaus que não permitem passagem normal. É uma pena que certas pessoas, invejosas da felicidade de terceiros, façam este tipo de coisas como se fossem donos do mundo e se sete palmos de terra não fossem suficientes para acabarem com as suas histórias de vida tristes, lamentáveis e infelizes. De facto, acabamos a ter pena de mentes tão fracas.

Chegámos à última etapa mais cedo do que é habitual. Esperamos pela nova jornada de quinta, para quem pode, ou de domingo sem faltas! A GRZ está à porta!!

Alipio Lopes

Clicar para ver fotos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:14

Quem vai para o mar avia-se em terra, ou melhor, é preciso preparar as grandes aventuras. Um dia após o outro, o tempo passou e o treino escasseou! Os mais cautelosos bem nos avisaram que poderíamos sofrer um pouco e quem sabe não chegar ao fim...

Uma situação tínhamos certa, era a partida. Assim aconteceu, um grupo de 3 trilheiros marcaram presença na grelha: Rui P, Valter Costa e Nuno R.

Lá fomos pedalando cheios de esperança na companhia dos companheiros Sergio Valente e João Canas. O Óscar L e Agostinho fugiram de imediato e nunca mais foram, por nós, avistados.

Iniciámos uma pequena descida em alcatrão e logo nos embrenhámos nos campos verdejantes e floridos do Alentejo. Num trilho estreito, com pouca dificuldade técnica, acompanhámos o Guadiana que seguia languidamente entre as margens. O Sol brilhante, que nos acompanhou toda a jornada, iluminava o azul do rio e tirava dele tonalidades douradas espelhadas no leito.

Afastamo-nos lentamente, cada vez mais no Alentejo profundo. O verdejante dos campos foi dando lugar à paisagem das estevas floridas, de belas flores brancas, a fazer lembrar flocos de neve.

Subindo e descendo, um monte aqui e outro além chegámos às minas de S Domingos. A paisagem esventrada pela atividade mineira, que cessou na década de 1960, mistura um sentimento de tristeza com outro de rara beleza. A desorganização do espaço, a ruina dos edifícios industriais e a presença de alguns turistas continuou indiferente para os bttistas que por ali iam passando, velozes com o intuito de cumprir a promessa de chegar cedo.

A conversa era fluente, ao ritmo de cada pedalada um novo assunto. Sobravam ainda muitos kms.

O porco preto e sua ninhada, o rebanho de cabras e ovelhas, algumas vacas e talvez uns toiros, todos ficaram indiferentes à nossa passagem. Fez-se jus aquela característica bem conhecida do Alentejo. Com calma!

Fizemos uma pequena passagem numa aldeia espanhola, onde fomos bem recebidos, percorridos que eram já cerca de 96 km. Ainda frescos abandonámos os "nuestros hermanos" e rumamos a Portugal, logo a descer. Que bom!

Depois dos 120 km admito que não foi fácil. As descidas foram poucas e as subidas, mesmo pequenas, eram difíceis. Apareceu algum vento de frente e o sol desapareceu. Afinal era eu que estava cansado.

Finalmente a meta! Cumprimos os 167,1 km, chegámos em grupo.

Conseguimos!

Rui P

Clicar para ver fotos

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45

Volta do Panamá à chuva

por Trilhos Sem Fim, em 10.04.16

Os TSF andam a perder qualidades e desfasados da realidade. Na era PP não houve ninguém a aflorar o tema... Terá sido por temor? Isso não se sabe, mas que eles andam aí, andam. Não se falou de PP, mas discutiu-se o tema SLB/BM e os coelhos que não chegam porque têm sofrido do síndrome de morte súbita...

Às oito e trinta, quando já estávamos sete, houve o inevitável “puxão de orelhas” pela ausência aos últimos treinos deste que ousa escrever quando não tem outro remédio... Desta vez, fui apanhado por não ter ido ao blogue deixar comentários. Evitei esse tipo de visitas para aliviar a minha dor pela ausência involuntária. Deverá esclarecer-se, contudo, que se essa penalização fosse razoável haveriam alguns de escrever durante um ano quando arriscarem regressar. Deixo a quem por aqui passar o desafio de identificarem a quem quero referir-me.

Perante a enorme indecisão àcerca do destino arriscamos a sair do PR com chuva. Não foi o caso e apanha-mo-la bem chovida lá para os lados das Fontes onde nos abrigámos num belo alpendre de restaurante, apesar de alguns teimosos preconizarem que não deveríamos ter parado.

A paragem foi curta mas surgiram duas correntes, uma que pugnava pelo regresso a Leiria e outra, mais forte, que impunha que se assim fosse iria juntar-se a outro grupo e ainda simulou uma chamada telefónica. Ganhou. Convenceu-nos e acabámos a gozar um resto de manhã muito aceitável e quase muito interessante.

O grupo, composto por dois miúdos na quinta, três na sexta e dois na sétima décadas de vida trepou nos cândidos caminhos de areia grossa, escorregadia e vibrante dali até ao alto da Senhora do Monte onde adiante e à esquerda continuámos a malhar na mesma areia pelo trilho da “figueira” do nosso director que primou pela ausência por ter ido tirar um curso de alentejano a Serpa, durante 167 kms! Arre porra...

Chegámos relativamente cedo ao café do Arrabal onde degustámos um magnífico pastel com café e provámos, “for free”, filhoses negras de alfarroba que recomendamos vivamente.

Como era cedo decidiu-se rumar dali aos Cardosos, dos Cardosos à Brisa e da Brisa à CA. Nos entrementes, quando o RG descarregava uma bisnaga vitamínica, foi-lhe perguntado se o produto era vendido pelo Futre. Ficámos imediatamente a saber que um companheiro, que exigiu anonimato, tem para venda um pack por encetar que não será do Futre mas do CR7 e vale ainda mais porque o referido estimulante para a tosse  foi comprado a uma amiga dos TSF! Não resistiu à vendedora e comprou-o sem necessidade. É a vida... 

Alipio C. Lopes

clicar para ver as fotos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:27

Pág. 1/2



Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Visitantes

Site Meter

Os meus visitantes