Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Neste Domingo conseguímos reunir as condições necessárias para fazer o mitíco passeio da Fórnea. A disponibilidade do grupo e a meteorologia unidas facilitaram a concretização do objectivo. Às 9 horas, como combinado, iniciámos a marcha.

Vale acima, fomos testando a nossa capacidade física. As subidas eram de difícil "escalada", que pela inclinação, quer pela lama, quer pela pedra, que era abundante.

A paisagem, sempre deslumbrante, com as encostas da serra a dominarem completamente o nosso horizonte. Um sentimento ambíguo de protecção proveniente das altas montanhas, por um lado, e por outro, a sensação de encarceramento resultante do grande muro que representa aquela serra. Gostei mais do sentimento de protecção!

Passámos ao largo da Fórnea, que não visitámos. Mantivemos a marcha a subir. Subitamente lá estava ela, a grande subida, a serpentear encosta acima. Ficámos extasiados com a imponência da natureza. Umas vezes extasiados, muitas mais cansados, quase esgotados. Uns com ela à mão, outros em cima dela, todos chegámos com as bikes ao topo.

Fizemos uma pequena pausa e tivemos o prazer, quase único, de aí tomar uma pequena refeição!

Continuámos o passeio.  Por um trilho estreito, muito técnico, fomos avançando até ao local onde iriamos avistar a melhor paisagem.

Feita a foto de grupo avançámos pelo desfiladeiro. Uma paisagem indescritível. A natureza a esmagar os visitantes com tanta beleza. Trilho adiante, pedra atrás de pedra, sem uma única distracção, vencemos o medo e fizemos o percurso sem sobressaltos. Não fosse aquela vertigem, teria sido perfeito.

A Fórnea de Alvados, vista do cume, é um espectacular anfiteatro com cerca de 1 km de diâmetro. Está escavado nos calcários margosos e nos calcários do Jurássico inferior e médio. É rico em fósseis de amonites e belemnites. Nas suas vertentes existem várias nascentes temporárias, que pela erosão, dão origem à Fórnea.  

Avançámos monte abaixo com a ideia fixa na ciclovia, mas uma avaria técnica deitou por terra o objectivo. Descemos por estrada.

Do alto avistámos o belo castelo de Porto de Mós e admirámos a vista sobre a Vila Forte, com a ciclovia a serpentear na montanha, comtemplando a Vila e esperando por nós.

Concluímos, sem dúvida, um passeio admirável. Vai ser difícil fazer melhor, mas o objectivo não foi conseguido. Pelas vertigens de uns e das avarias de outros, vamos ter que lá voltar, brevemente!

Podem consultar o trilho de hoje aqui e AQUI

Rui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:11

Trilhos Sem fim - Porto de Mós - passeio a 1MAR2009

por Trilhos Sem Fim, em 14.03.09

Apesar das adversidades meteorológicas conseguimos unir esforços e fazer o tão desejado passeio btt em Porto de Mós. Às 9 horas, como combinado, iniciámos a marcha.

Saímos do jardim, dirigimo-nos ao vale, por detrás da área desportiva, até a Corredoura. Pelo sopé da serra, fomos pedalando até á localidade Figueiredo.

Sempre à beira do rio Lena, vale acima, fomos testando a nossa capacidade física. As subidas eram de difícil "escalada", que pela inclinação, quer pela lama, que era abundante.

Chegámos à nascente do Rio Lena, que apesar das chuvas, se encontrava com um caudal reduzido. A paisagem era sempre deslumbrante, com as encostas da serra a dominarem completamente o nosso horizonte. Um sentimento ambíguo de protecção proveniente das altas montanhas, por um lado e por outro, a sensação de encarceramento resultante do grande muro que representa aquela serra. Gostei mas do sentimento de protecção!

Finalmente avistámos o vale de Alvados. Sempre a descer até chegámos à Fórnea.

Ficámos extasiados com a imponência da natureza. A Fórnea de Alvados é um espectacular anfiteatro com cerca de 1 km de diâmetro. Está escavado nos calcários margosos e nos calcários do Jurássico inferior e médio. É rico em fósseis de amonites e belemnites. Nas suas vertentes existem várias nascentes temporárias, que pela erosão, dão origem à Fórnea.

A meia encosta avista-se uma gruta, Cova Velha, que é uma das nascentes. Tem uma galeria rectilínea com cerca de meio quilómetro de extensão.

Estivemos lá e tivemos o prazer, quase único, de aí tomar uma pequena refeição!

Terminada a visita, continuamos no vale de Alvados, sempre pelo meio de terrenos de cultivo até encontrarmos um carreiro muito técnico, com muita pedra, de uma beleza singular, que nos levou à aldeia de Alvados.

Continuámos o passeio.

Refiro ainda a grande subida até á aldeia Covão de Oles, passando pelo centro hípico de Alcaria. Sempre a descer, tomámos o trilho em terra a proporcionar grande velocidade até ao parque de merendas de Alqueidão da Serra.

Nesta fase do percurso foi a descoordenação total. Perdemos alguns elementos, que sabe-se lá a razão, foram para o fim do percurso, atalhando por estrada. Há gostos para tudo, ou será que se perderam?

Finalmente atingimos a encosta do belo castelo de Porto de Mós e admirámos a vista sobre a Vila Forte!

Terminámos, sem dúvida, um passeio admirável. Vai ser difícil fazer melhor!

Rui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:54


Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Visitantes

Site Meter

Os meus visitantes