Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Trilhos Sem Fim e o aniversário do Rafael - subir à Chainça

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46

Escócia 2019 - Coast to Coast to Coast

por Trilhos Sem Fim, em 25.06.19
Preâmbulo

A ideia teve como base a experiência relatada pela Zona 55, com os respetivos traçados realizados e as dificuldades encontradas, aliada às experiências de outras travessias já realizadas (internas e Ibéricas), com a experiência comprovada pelo CC de transporte de uma bicicleta via aérea, usando um saco próprio de transporte, faziam com que estivessem reunidas as condições para avançar para o lançamento projeto. A ideia foi aceite por 6 Trilheiros e havia a possibilidade de ter carro de apoio. 
Com tudo isto alinhavado, o CC avançou para a marcação das passagens e o delineamento de um traçado, elaborando um rigoroso e muito fiável Road Book. Definidas as etapas, foi marcando os alojamentos e afinando todos os procedimentos para cada um dos dias de estadia.
Um agradecimento especial à Zona 55 e em particular ao amigo João Valério, por todas as informações, esclarecimentos e apoio prestado em todo o processo.
 
 

12 de Junho | Dia 0

Era véspera de partida e muitos dos participantes estavam a trabalhar mas era irresistível o não vigiar o telemóvel ao tocar de mais uma notificação, com mais um lembrete de não esquecer para levar roupa impermeável, os documentos, relembrar a hora e o local de encontro e os procedimentos. Os que já tinham tudo arrumado iam partilhando as fotos das suas bagagens. Ao final do dia o RM fez a tour de passagem pelas casas, para recolher os sacos das bicicletas, para aforrar tempo para o dia seguinte. Este processo foi efetuado já com a carrinha alugada para o transporte para o Aeroporto, acompanhado pelo seu filho, que simpaticamente se voluntariou para nos ajudar.
A alvorada iria ser cedo e era necessário descansar.

7a82e7e0-f560-40e9-8a4f-bc72b487c127.jpe

 

100149c3-3b62-4106-9269-755f9d0f68b0.jpe

ddc6656c-3315-47f0-97f5-3589c18b3821.jpe

ec7794cf-7cd8-41c2-8500-331416f4cac4.jpe

 

 
 
13 de Junho | Dia 1  - Etapa 0
 
À hora combinada, todos se encontravam na Sede Oficial dos TSF, devida e orgulhosamente trajados com os novos Pólos. Estava alinhavada a distribuição dos Trilheiros pelos carros, arrumadas as malas, encaminhámo-nos em direção ao Aeroporto.
Já no Aeroporto, foram tiradas as últimas fotos com as bicicletas, antes de as enviar para o porão do avião.
dZ-DAzpQ.jpeg
Confirmados os pesos (o saco do NG tinha peso a mais, tendo sido redistribuído por outros com menos carga) era tempo de as encaminharmos até à experiência mais fantástica que iriam ter! Os olhares de preocupação eram evidentes, quais pais a despedirem-se dos seus rebentos no primeiro dia de aulas.
A viagem foi tranquila e bem disposta, havendo sempre lugar a fotos aos elementos que adormeciam.
rS5tLypA.jpeg

Chegados a Edimburgo, fomos logo brindados com a típica chuva escocesa, funcionando como que um batismo para os dias fantásticos que se avizinhavam. Após a rápida recolha da bagagem, dividimo-nos em dois grupos. Um levou as bagagens e dirigiu-se à EuropCar, para levantar o carro ligeiro (NG; DA; RL; LF), que seria conduzido pela LF e que seria o nosso carro de apoio para estes dias e outro à EasiRent para levantar a carrinha de 3 lugares (RM; RG; CC) que transportaria as bicicletas, ainda nos sacos até ao local onde pernoitaríamos as duas últimas noites (nos arredores de Edimburgo) e onde guardaríamos os sacos, cortesia do proprietário da casa.

0bqhcJoI.jpeg

Mal chegámos, apressámo-nos a montar as bicicletas, que vinham parcialmente desmontadas (espigão, guiador, rodas e pedais) e a afinar as medidas. Tudo isto foi realizado com a presença do proprietário da casa, que assistia com um olhar de encanto a todo aquele processo. Após isso confiou-nos a chave para utilizarmos aquando da estadia naquele local.

3CanoSvA.jpeg

Bicicletas montadas, foi hora de as colocar na carrinha, devidamente acondicionadas. E não é que encaixavam na perfeição!

JMXh6nEw.jpeg

Tudo pronto para realizar a viagem de cerca de 200km até Aberdeen.

Havia a intenção de efetuar duas paragens para visitar Castelos durante o trajeto mas como já tínhamos registado alguns tempos de atraso, entre o voo e os processos de levantamento das viaturas, a opção foi por apenas efetuar uma paragem no Castelo de Dunnottar, que apenas foi visto por fora, uma vez que já se encontrava fechado. O frio que se fazia sentir não ajudava a uma visita morosa, pelo que apenas fizemos a escadaria, em passo acelerado, até à porta, tiramos um pequeno conjunto de fotos e seguimos viagem até Aberdeen.

ruBbPt5w.jpeg

A visita ao Castelo de Glamis havia sido conscientemente substituída por uma paragem para lanche numa área de serviço.
Chegados a Aberdeen, encaminhámo-nos para o Hostel (The Lost Guest House), onde estacionámos temporariamente para levar as bagagens e as bicicletas para os quartos. Aqui, dividimos novamente o grupo em dois. Sendo que 4 elementos foram entregar a carrinha (regressando no carro ligeiro) e os outros 3 elementos foram visitar a redondeza em busca de opções para jantar.
A opção recaiu pelo tradicional Fish and Chips (não estavam fantásticas), acompanhadas de refrigerantes (isto porque na Escócia é necessário ter uma licença especial para vender bebidas alcoólicas e os Take Away optam por não ter).

zH9Wxh9Q.jpeg

Após o jantar fomos degustar uma cerveja local, em formato Pint, no The Spiritualist, um simpático e muito bem frequentado Pub, nas imediações do nosso alojamento.
No caminho para o Hostel, verificámos que Aberdeen era um local com animação noturna, a avaliar pela quantidade de pessoas que circulavam naquela zona.

190613-230745 Scotland CC.jpgEra chegado o momento de descanso, porque a grande aventura iria ter início bem cedo e todos queriam estar frescos e bem dispostos.

 

14 de Junho | Dia 2 - Etapa 1 - Aberdeen - Ballater (76km - 700m D+)
 
À hora marcada para a alvorada (7h00) já não havia um TSF que não estivesse acordado. Os elementos iam chegando à sala de pequeno almoço trajados a rigor. Faziam-se as escolhas do menu (havia quem arriscasse uma degustação mais local, outros preferiam o tradicional mediterrânico).

hGrBWq42.jpeg

ZDkqVmlk.jpeg

R7cEE3VU.jpeg

 

Já com o aconchego da refeição foi tempo de regressar aos aposentos para ultimar os derradeiros detalhes para encetar a jornada. A bicicletas haviam ficado num dos quartos.

8wvMXHmQ.jpeg

Confirmava-se ferramentas, suplementos alimentares, reviam-se pneus, colocavam-se frontais, lubrificavam-se transmissões.

NIWDx0RA.jpeg

y-Ww6t8L.jpeg

Tudo estava apostos para o "tiro de partida". Um leve instante de silêncio (não havia um Trilheiro que não sentisse um ligeiro formigueiro) que foi interrompido pelo ecoar da Gaita de Foles, som que brotava da habitual coluna do RG e que seria o mote para o encetar da aventura, tendo como primeiro destino a zona portuária de Aberdeen e a sua praia.Pese embora todo o processo de preparação, nos primeiros metros verificámos que o pneu traseiro do RM tinha pouco ar (e a sua bomba não estava a funcionar), o mesmo  foi retardando a colocação de ar mas foi unânime que seria melhor parar e resolver o problema, sob risco de poder ter consequências materiais, aliado a isto o travão traseiro do CC também vinha manifestando os problemas que havia registado nas voltas anteriores, em Portugal, que registava o verter de óleo para o disco. RM com pneus cheios e CC com discos limpos (era solução provisória mas como a etapa era apenas rolante, era pacífico) percorremos o restante percurso urbano, onde verificámos o escrupuloso respeito pelos ciclistas, por parte dos automobilistas.

WmIsi4og.jpeg

jPFb7TVA.jpeg

Chegados à praia, feitas as fotos da praxe, encetámos oficialmente o percurso onde alcançaríamos a Deeside Way, uma ecovia adjacente ao River Dee, sem dificuldade física e técnica, que permitia rolar a uma velocidade interessante e aforrar tempo para a concretização das premissas para este tipo de aventuras.

jZpdtf7w.jpeg

Paragens para contemplar e fotografar as paisagens e Geocaching e estabelecer contacto com outros ciclistas. Os primeiros kms foram efetuados em piso asfaltado, entre vegetação, com abundante presença de caminheiros, praticantes de jogging, pessoas que simplesmente iriam passear os seus cães (uma palavra para o civismo dos donos que ensinam os seus animais a manter a calma e a serenidade na presença de outras pessoas, o que torna o espaço muito mais confortável para todos os que nele circulam), assim como algumas mães que corriam com os seus carrinhos de bebé.WZCoQSR8.jpeg

crKv9wJu.jpeg

Passado este primeiro cenário, entrámos numa "fotografia" mais campestre, levando-nos a Deeside Way pelo meio de alguns campos, permitindo o contacto com a fauna local.

kLrVrvCQ.jpeg

O ponto alto do dia estaria guardado, quando após o km 35 entrámos num denso e deslumbrante Bosque, onde fomos alcançando os valores de altimetria reservados para este dia. Aqui tivemos uma má notícia, o suporte da accion cam do RL cedeu, o que iria limitar a captação de imagens em movimento para toda a aventura.

23OkIj5A.jpeg

OGdLO9vm.jpeg

 Na zona de Potarch mudámos novamente de cenário, indo por uma antiga estrada militar, que nos levaria até à A93 (Estrada para Ballater). Aqui começámos a pensar no almoço, que havia ficado alinhavado com a LF em Kinkardine O'Neil ou em Aboyne. A opção recaiu sobre a segunda hipótese dada a fraca estrutura de opções comerciais na primeira. Chegádos a Aboyne estavam já à nossa espera umas deliciosas sandes que já conhecíamos, assim como a indispensável reposição de eletrólitos. 

oNycy-RQ.jpeg

Repostas as forças, voltámos a apanhar a Deeside Way, paralela à A93 e com o River Dee ali mesmo ao lado. Este foi o agradável cenário que encontrámos até à entrada de Ballater, local onde iríamos pernoitar.

crmIuTtg.jpeg

P8MwRrEQ.jpeg

ZhMfsd4g.jpeg

rw1BIcpQ.jpeg

Chegados a Ballater, dirigímo-nos de imediato à loja de bicicletas (Cycle Higlands) que ficava mesmo diante da unidade hoteleira onde iríamos pernoitar (Deeside Inn), com vista a resolver o problema no travão traseiro da bicicleta do CC. Era apenas a tampa do óleo que tinha ficado mal fechada. Foi apenas necessário limpar e desengordurar o disco e colocar pastilhas novas. O mecânico ensinou também o CC a aproveitar pastilhas nas quais caiu óleo, contudo, à cautela, foi mais prudente adquirir um par suplente.JFdoD4RA.jpeg

47DAa11Q.jpeg

cx6FHheQ.jpeg

WG9bB-gw.jpeg

A LF já se encontrava no Hotel e havia tratado de toda a logística, tendo falhado no planeamento dos aposentos, tendo ficado o quarto Twin para o NG e a LF e o quarto de casal para o RM e o CC. Era então altura de guardar as bicicletas num anexo e retemperarmos as forças num banho. Como ainda era cedo e o jantar era no hotel, que estava previamente agendado e pago (2,5£, o melhor negócio da vida do CC) fomos dar uma pequena volta pela vila, onde encontrámos um simpático Bar, que resultou da antiga estação ferroviária, para tomar um aperitivo.

D1_v-5lg.jpeg

D4DvvSjx.jpeg

n-VI2iwL.jpeg

cJllA0KX.jpeg

Depois do repasto fomos completar a visita e fazer algumas Caches, que nos permitiram conhecer mais alguns locais e um pouco da história de algumas personalidades da vila. Fomos também a um outro Bar, onde um simpático nativo meteu conversa connosco e nos indicou que um dos motivos da simpatia dos escoceses estava no facto de estarem sempre alcoolicamente bem dispostos. De regresso ao Hotel fomos fazer um pouco de tempo até à hora de deitar, tendo o entretenimento ficado a cargo do RG, tocando, ao Piano, uma peça da sua autoria, denominada "A Morte do Grilo", que motivou um incremento de boa disposição pré-sono.

 

3E_0y-RZ.jpeg

MaBqYy7g.jpeg

 
15 de Junho | Dia 3 - Etapa 2 -  Ballater - Aviemore (75km - 1100m D +)
 
O despertar foi à mesma hora (7h00) e pouco mais tarde já todos os Trilheiros estavam na sala de pequeno almoço para fornecer ao corpo a primeira refeição do dia, que amanhecera chuvoso e que os registos ditavam que seria duro.
À partida faziam sentir-se uns leves chuviscos, que nos levaram a vestir os impermeáveis. Enquanto preparávamos as bicicletas para mais uma etapa a LF já tinha ido comprar as sandes que levaríamos connosco e que serviriam de repasto. Começava a mostrar uma eficiência inigualável como staff.

1.jpeg

2.jpeg

3.jpeg

Os primeiros 41 km tinham muito pouca altimetria e seriam feitos junto à margem do River Dee e até ao km 25 o troço era na íntegra asfaltado, percorrendo a A93, uma antiga estrada militar, o que permitiu efetuar algumas paragens para fotografias, particularmente de uma cabine telefónica, transformada em biblioteca, situada no meio do nada ou uma fantástica ponte cujo destino era apenas uma moradia unifamiliar. 

4.jpeg

5.jpeg

Ao km 13, fizemos um pequeno desvio apenas para poder visualizar as instalações da Royal Lochnagar Distillery, que ainda se encontrava fechada, pelo que apenas foi possível ver o exterior.

6.jpeg

7.jpeg

 

Embora estes primeiros km fossem em piso asfaltado, o cenário envolvente era extremamente belo, uma vez que a A93 era ladeada por uma fantástica paisagem verde composta de árvores e musgos, que conferiam um colorido fabuloso ao cenário.

Volvidos 2km chegaríamos aos Castelo de Balmoral, situado em Crathie e que é a residência oficial da Rainha (e seu marido) em terras escocesas. Aqui apenas a LF teve possibilidade de efetuar a visita, recomendando vivamente a mesma (mesmo de bicicleta). O cruzar do Castelo coincidiu com a mudança de margem do River Dee, ficando agora do nosso lado esquerdo.

8.jpeg

9.jpeg

10.jpeg

11.jpeg

12.jpeg

10 km adiante sairíamos da A93 e dirigíamo-nos oficialmente para a zona das Highlands. Este momento ficou registado em forma de fax, enviado pelo CC, que revelou a sua parca experiência na captura de rede.

12a.jpeg

Aqui deixaríamos o asfalto e encetávamos a etapa em piso "offroad", onde entraríamos na Floresta de Cairngorms. As paisagens eram cada vez mais fabulosas e o avistamento de montanhas e vales verdejantes, iluminados pelo Astro Rei, que dava um ar da sua graça, conferiam um colorido à etapa.

Começava aqui o "ritual" de transpor cancelas, onde o RG tentou colocar o seu sentido de humor em funcionamento, indicando que apenas seria transponível, galgando... Quase pegava! 

13.jpeg

14.jpeg

17.jpeg

Com o avançar dos km, íamos colocando em causa as dificuldades anunciadas no Roadbook, situação que não representava mais que uma tentativa de auto engano perante as dificuldades anunciadas.

Ao km 35 iríamos ter o primeiro ponto de dificuldade, com o atravessar de um ribeiro, afluente do River Dee. As técnicas para o atravessamento foram várias. Houve quem, sem hesitação, atravessasse. Houve quem tenha tentado passar montado. Houve quem passasse descalço. Houve quem viesse calçado mas sem meias. Houve quem procurasse pontos mais baixos para atravessar. O resultado foi o mesmo. Acabámos o dia com os pés molhados!

15.jpeg

16.jpeg

Depois de atravessar mais algumas cancelas e de contemplar mais alguns fabulosos fundos cénicos, decidimos efetuar a pausa para o almoço (com as sandes compradas pela LF) perto dos 40 km, no espaço que nos pareceu mais aprazível, junto de uma passagem de água, vinda diretamente das montanhas, que permitiria, no final da refeição, reabastecer os bidons e almoçar com o som da água a correr.

18.jpeg

19.jpeg

Após o almoço, o caminho começou a ter algumas interrupções, onde, face ao relevo, éramos obrigados a desmontar, até que chegámos ao ponto em que não era de todo possível fazer 10m seguidos em cima da bicicleta e caiu sobre nós a resignação de que os relatos (que a todo o custo tentávamos negar) eram reais. Seriam 15km duríssimos, apenas atenuados pelas paisagens fabulosas dos montes (onde inclusive ainda havia neve) e vales que nos circundavam e pelo espírito de camaradagem e de motivação do próximo. Nestes intermináveis km, galgámos pedras (havia quem optasse arriscar e caminhar fora do trilho) subimos, descemos, atravessamos mais rios, sempre a pé e com a bicicleta à mão que à falta de força já ia batendo nos calhaus de granito, para nossa angústia. 

20.jpeg

21.jpeg

22.jpeg

23.jpeg

24.jpeg

25.jpeg

26.jpeg

27.jpeg

30.jpeg

Terminado este calvário, fizemos um conjunto de metros, já montados, antes de encetar a descida, onde encontrámos um simpático ciclista, viajando a solo, com o qual abordámos as experiências que estávamos a realizar e nos confidenciou que já havia estado em Coimbra a fazer kayak.

A descida, estávamos "avisados" que tinha rasgos largos e que mesmo sendo rápida era necessária alguma prudência. Encetámos este processo com as devidas cautelas, contudo, à medida que íamos galgando as valas e a confiança ia aumentando, a velocidade ia sendo maior, assim como a permeabilidade ao erro. Situação que motivou 3 aproximações ao solo de 3 Trilheiros diferentes (RM; CC e DA), resultando apenas alguma marcas no corpo, sem consequências de maior. Durante a descida, cruzamo-nos com mais um grupo de aventureiros em bicicleta, com os quais pudemos também trocar algumas palavras e não é que um deles conhecia Leiria! Conhecimento devido ao facto do seu pai residir em Ferreira do Zêzere.

32.jpeg

33.jpeg

34.jpeg

35.jpeg

36.jpeg

Até às imediações do Lock Morlich o traçado era muito engraçado, num divertido estradão ladeado de vegetação.

Os últimos 10 km seriam ligeiramente descendentes e bastante tranquilos, percorridos num caminho em forma de ciclovia, paralelo à estrada até Aviemore. Aqui interrompemos a marcha para a realização de caches e para o avistamento de alguns veados que, timidamente, espreitavam entre a vegetação.

37.jpeg

À chegada desta etapa estava um simpático Hostel (Aviemore Youth Hostel), onde imperava a presença de caminheiros e outros ciclistas... E que tinha um leque interessante de opções para a reposição de eletrólitos.

38.jpeg

Após guardar as bicicletas e um retemperar de forças nos banhos foi tempo de colocar as roupas a lavar e a secar e procurar jantar, tendo a opção recaído num Take-Away próximo e a refeição tomada no refeitório do Hostel.

40.jpeg

Após o jantar, fomos degustar alguns destilados locais num Pub nas imediações do Hostel, onde curiosamente, numa das bicas de imperial, estava o logótipo da "nossa" Sagres, embora o conteúdo fosse outro produto.

41.jpeg

42.jpeg

De regresso ao Hostel, fomos recolher a roupa, já seca, e descansar, que o dia havia deixado marcas e esperava-nos uma etapa longa e com o mesmo ascendente no dia seguinte.

39.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29

Trilhos Sem Fim subidas e passagem no moleiro

por Trilhos Sem Fim, em 16.06.19
Trilhos Sem Fim vão a Fátima e descem o Moleiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:59

Texto: Claudio a produzir

 

Trilhos Sem Fim na Pia do Urso e descida na estrada "romana"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:56

Quem alinha em ir andar no sábado?

por Trilhos Sem Fim, em 08.06.19

Mini relato de sábado.
Perguntar à malta se quer ir andar num sábado a pensar que é soft é enganares-te, andar no sábado dá direito a Armando, andar no sábado dá direito a menos paragens e de menor duração, o Hélder continua a descer muito, o Rogério dispensa a eléctrica, o Nuno está uma máquina também e quando o Cláudio diz que é para treinar tenham isso em atenção, é TREINAR!!!

Paulo Chá-Chá Carreira

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

Pág. 1/2



Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Visitantes = 160.000 +...