Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O cartão ou papelão é um tipo de papel embora mais grosso e resistente, geralmente utilizado na fabricação de caixas, podendo ser liso ou enrugado. É produzido a partir dos papéis compostos das fibras da celulose, podendo ser virgens ou reciclados.

Por este motivo o papelão e seus produtos são frequentemente alvo de processos de reciclagem e reprocessamento na indústria de produção de papelão.

O tipo mais comum de papelão é o papelão ondulado, composto de três camadas. Tomando como exemplo uma caixa de papelão, teremos: i) a camada mais externa, que tem função de proteção e revestimento; ii) a camada intermediária, também conhecida como "enchimento", que é a mais volumosa, geralmente composta de um papel grosso disposto de forma ondulada; iii) finalmente, temos a camada mais interna, com função de revestimento da mesma forma que a primeira camada, porém com menor espessura.

O papelão ondulado foi criado em Inglaterra em 1856 e usado como revestimento para cartolas altas, mas não foi patenteado inicialmente. Em 20 de dezembro de 1871 a patente foi emitida para Albert Jones de Nova York para papelão ondulado de um lado.

O cartão em contacto com a água perde a rigidez, amolece e transforma-se numa pasta. Ainda bem que as bikes que hoje nos levaram à Anta do Alqueidão da Serra não eram de cartão!

Rui Passadouro

Anta do Alqueidão em dia de chuva By Trilhos Sem Fim

Tags:

publicado às 17:31

A Pia do Urso By Trilhos Sem Fim

por Trilhos Sem Fim, em 19.10.20
A Pia do Urso By Trilhos Sem Fim

publicado às 23:01

Castelo de Ourém... a Ginja... e as poças!

por Trilhos Sem Fim, em 12.10.20
Domingo By Trilhos Sem Fim

Castelo de Ourém... a Ginja... e as poças!

De véspera havia sido sugerido a visita a um castelo da nossa região, rapidamente ficou decidido que Ourém seria o destino. Saímos já um pouco depois da hora habitual e visto que a jornada seria longa, havia que acelerar o passo. Éramos 13 elementos à partida e contávamos com uma estreia absoluta nas lides do BTT e com outra estreia na visita ao Castelo de Ourém. Dadas estas premissas, a opção de trajeto teria de conjugar o habitual aporte de diversão, aliado a uma maior celeridade na pedalada. Com base nisto o Cartógrafo Oficial, de regresso às lides domingueiras, levou-nos pelo habitual trajeto mas sempre metendo pequenas "buchas" para alternativas mais engraçadas de trilhar. Tudo rolava a um excelente ritmo e já havíamos recuperado o tempo inicial até que já bem perto da subida para o Castelo, um percalço no pneu do RB nos fez ter uma pequena pausa. Problema resolvido e seguimos viagem... mas o pneu teimava em não colaborar até que o RB, o AJ e o RS optaram por ficar, contudo a falta de um alicate fez com que o CC e o HM voltassem no seu auxílio, para que pudesse ser retirada a válvula e colocada a câmara de ar. Estes 3 amigos seguiram para trás e os restantes elementos estavam já no Castelo à espera dos dois "mecânicos", com um delicioso néctar típico daquelas bandas mas com uma fórmula melhorada. Nutridos e consolados encetamos o caminho de regresso, recorrendo à mesma ideia do caminho da vida, aliar a celeridade e  a diversão. Sinónimo disso é o carreirinho de Fátima, já um "habitué" e cuja velocidade e condução tem feito algumas "vítimas", desta feita calhou ao CM. Destaca-se também o regresso à "época das poças", onde o nosso Salta Pocinhas principal já pôde fazer "o gosto aos pneus" e salpicar alguns elementos. A hora de chegada foi um pouco adiante do habitual mas o destino e o prazer justificaram a demora. Hoje o local de reposição de eletrolitos foi no PR,onde fomos muito bem tratados. E quem é bem tratado volta!  Nuno Gonçalo Santos

publicado às 23:27

A Alvorada estava dada por um Trilheiro ausente em recuperação cirúrgica. Os olhares viravam-se para as janelas, onde se observava alguma chuva. Pairava a indecisão! Contudo, foi partilhada a previsão metereológica de uma manhã em que a chuva deixaria de cair às 8h00, o que serviu de dínamo para 9 Trilheiros dizerem SIM e estarem presentes no PR, embora à cautela, munidos de impermeáveis.

Hoje o Cartógrafo seria o Tyre Expert, que havia indicado a visita à Pia do Urso como destino. Seguindo o habitual caminho até à Amoreira, começámos a observar a quantidade de poças que a chuva da madrugada havia deixado, contudo hoje não se verificou a presença de nenhum Salta Pocinhas, pelo que pudemos estar descansados relativamente a este fator de relevo.

Na zona da Torre tivemos o pequeno percalço do dia, em que uma falha de comunicação/entendimento fez com que o repórter fosse para um carreiro e os trilheiros para outro. Situação resolvida, grupo unido e regresso ao objetivo!

O propósito da escolha do traçado seria evitar troços com lama... e com poças, contudo dada a ausência dos Salta Pocinhas, pudemos abandonar a segunda premissa... E se passámos por muitas... e boas... mas ninguém lhes saltava. Ninguém, até o nosso caçula o ter feito, contudo levou uma reprimenda ao bom estilo transmontano, o que o levou a abandonar a ideia de ser o terceiro Salta Pocinhas... Mas há potencial! 

Regressados do repasto, cordialmente oferecido pelo RG, comemorando a sua confirmação como SEXagenário Maior (65 anos) e com a companhia de mais 2 Chou Bikers, que se juntaram a nós na Pia do Urso, e numa altura em que o piso já se encontrava mais seco, resolvemos arriscar em fazer um traçado mais divertido e com alguma pedra. Boa ideia! Estava seguríssimo!

Numa manhã excelente para usufruir da bicicleta, cumprimos 47km e quase chegámos aos 4 dígitos no acumulado positivo, fizemos alguns carreiros que nem sempre são a nossa escolha habitual mas que se revelaram bastante divertidos.

À CA apenas compareceram o Repórter e o Relator. Não pode ser! Temos que preservar as nossas relações de parceria.

Nuno Gonçalo Santos

Pia do Urso... Tantas poças e nada! By Trilhos Sem Fim

publicado às 20:19


Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D


Visitantes = 160.000 +...