Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A jornada de hoje começou cedo, ainda não eram 8h, segundo o boletim metereológico, o dia adivinhava-se quente, com as temperaturas máximas a subirem, interrogámo-nos se o caminho de hoje teria sombras e cursos de água para refrescar! Arrancámos da pensão onde pernoitámos por volta das 7h30, já com as bicicletas lubrificadas e prontas para mais uma etapa, até agora apenas tivemos um furo e perdeu-se um parafuso da bicicleta do Artur, mas nada de grave. Ainda não tínhamos aquecido os músculos, e eis que se imponha uma paragem obrigatória, estávamos a passar por uma ponte romana com uma cache, supostamente ela estaria lá, mas vasculhámos a ponte toda e nem sinal dela, foi o nosso primeiro DNF (Did Not Found). A paisagem durante a manhã continuou verdejante e bonita, destacando-se as muitas igrejas em granito. Para lembrar os trilhos da nossa terra, praticámos BTT a sério logo no primeiro trilho, com umas descidas algo técnicas em que dificuldade foi conseguir ver o trilho, pois íamos com óculos escuros e a luz do dia, dada a hora da manhã ainda era fraca.

Em Valença, tínhamos o “staff” à nossa espera, já com pão quentinho comprado e as cervejas fresquinhas, para comermos o nosso segundo pequeno almoço! Sim porque a senhora de pensão só tinha dois pães para cada um, e um de nós esticou-se, pelo que parece que um dos peregrinos menos madrugadores, ficou com um pão a menos. Como temos tido muito desgaste físico, e temos de gastar os bolos da Cristina, as cervejas do Júlio, o lombo e os ovos cozidos da minha mãe, e a morcela do Pedro, impõem-se estas paragens estratégicas. Oportunidade para ligar a alguns trilheiros amigos apenas para lhes mostrar o que estavam a perder! Ainda antes de abandonar Valença em direcção a Espanha, e como não vimos apenas para peregrinar, fomos visitar as muralhas de Valença e carimbar a credencial no turismo. Ao visitar as muralhas, assaltou-me de novo um sentimento que já tinha tido ao atravessar a ponte entre Barcelinhos e Barcelos no dia anterior, sentimento esse que me fez telefonar à família a desejar um bom dia. Lembrei-me de já ter andado nestes mesmos locais com a família e agora, o facto de estar aqui, em cima de uma bicicleta e com este belo grupo de trilheiros foi algo que nunca pensei fazer na vida, é estranho, e para mim que nunca fui destas coisas de desporto, senti-me bem…

Atravessando a ponte de ferro, cruzámos a fronteira para Espanha e percorremos uma parte do trajecto menos bonita, na zona industrial de Porriño, mas é o caminho e tem de ser cumprido. Cumprimentos trocados com uns Portugueses da Figueira da Foz, num café onde carimbámos e abastecemos de água, continuámos caminho. O almoço foi merecido, o nosso staff, puxou por nós e só nos esperava ao Km 50 deste etapa de hoje, debaixo do Sol quente e já com cerca de 40Km percorridos iniciámos uma subida que por si só justificaria o almoço, os dois pequenos almoços gastaram-se e foi necessário alguns de nós recorrerem a umas barritas para a vencer, nada que não estejamos habituados com a nossa maunça, mas… No topo da subida, aconteceu uma situação engraçada, tivemos direito a um batedor numa moto, que nos indicou o caminho e nos mandou parar num restaurante. Como somos meninos de aceitar bons conselhos e o nosso staff ainda estava uns Km à frente, com um telefonema e dadas as coordenadas de onde estávamos, ele veio ao nosso encontro. Almoçámos muito bem, e sequiosos que estávamos também bebemos alguns jarros de cerveja, foi para repor os electrólitos. Na rua o calor estava a ficar intenso, mas o caminho tinha de ser cumprido, reabastecidos os camel baks e as jerseys com os powerade’s do nosso patrocinador no bolso, pusemo-nos a caminho. Passada que estava a cidade de Redondela, voltámos a encontrar um grupo de Portugueses a descansar numa das muitas sombras que os trilhos por onde passávamos ofereciam, como já devem ter percebido, tudo é pretexto para parar e falar um bocadinho, não levássemos nós o Artur, vendia o no nosso blog a toda a gente, por isso é de esperar um aumento significativo de visitas nos próximos dias. Mas ainda bem que não parámos aí para descansar, pois um pouco à frente esperava-nos o carro de apoio, estava um calor após o almoço que justificou mais uma paragem para reabastecer, mais uns kilómetros percorridos e quando iniciámos uma descida, deparámo-nos com uma paisagem magnifica, a baía de Pontevedra ao fundo da descida, a serra por trás e no meio desta descida com esta paisagem, uma tenda para descanso e apoio ao peregrino, excelente momento de descanso, como se pode ver pelo registo fotográfico. Nem andámos 500m esperava-nos novamente o carro de apoio ao fundo da descida com as minis fresquinhas e num jardim relvado onde podemos descansar um pouco… outra vez…

O momento alto do dia foi a meio da tarde, quando ao atravessar um ribeiro, vimos uns portugueses dentro de água, nem hesitámos, em poucos minutos estávamos deitados dentro do ribeiro, uns vestidos outros menos, e outros com telemóveis e tudo, um verdadeiro espectáculo, excelente, claro que ao passarem mais peregrinos portugueses alguns, os menos “prós” do pedal, prontamente aceitaram o convite e banho com eles… outros ouve que não tinham tempo… como diz o Rui G. é bom levantar cedo para termos tempo para estas coisas…

Esperava-nos uma subida numa estrada romana, onde nos impressionou os sulcos nas pedras, rasgos feitos pelos rodados das antigas carroças romanas, é impressionante o desgaste causado pelas antigas rodas de ferro e ao tempo que por ali se peregrina.

Dormimos em Pontevedra, depois de 73Km feitos, e com uma subida acumulada de 1625m. Caches, hoje ainda não tínhamos conseguido nenhuma, nesta zona de Espanha à poucas, pelo que após o jantar, que também foi bom, como tem sido hábito, lá tivemos de ir à procura de uma.

PS: Esta crónica de hoje foi feita a 130Km, durante a viagem de regresso, antes e depois do almoço. Esta vida de cronista não é fácil, após a jornada diária por mais vontade que eu tivesse de escrever, não havia tempo, tínhamos de ir repor energias, e neste segundo dia foi deitar à 1h e levantar às 6h30, desculpem-me os amigos trilheiros TSF, que estavam ansiosos por noticias nossas, mas a vida de peregrino não é fácil… prova disso são os telefonemas que tivemos dos nossos amigos. Obrigado pelo interesse…

 

Cláudio Costa, a caminho de Santiago

publicado às 16:42


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D


Visitantes = 160.000 +...