Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Trilhos Sem Fim na Rota dos Bons Sabores

por Trilhos Sem Fim, em 15.12.19

A convocatória de véspera antevia o revisitar de um trajeto que já não trilhávamos há algum tempo - A Rota dos Odores - cujo convite prometia a adição de sabores.

Às 8h30 estavam presentes 6 trilheiros, sendo que metade deles eram E-Trilheiros, registando-se um "empate" (ainda) estranho em tipologia de bicicleta. Sendo que surge ao fundo do PR o CC em sinalização de urgência, visto que já vinha atrasado e que era o próprio que pretendia um regresso mais cedo a fim de degustar um saboroso e estaladiço bacorinho que o iria esperar.

Encetámos a jornada atravessando o Polis (pobre em lycra a esta hora) até à pista de XCO dos Marrazes, com o intuito de atravessar um pouco da mata. Antes da chegada às Chãs, depois de descer dos Marrazes, apanhámos uma zona com alguma densidade de lama barrenta. O primeiro a passar foi o Diretor, que com mestria, inteligência e graciosidade passou montado (apoiado na vedação). Alguns, menos afoites, passaram a pé e outros passaram montados... Asneira! Entre bicicletas que pareciam ter pneus Onza (era barro claro), a transmissão do CC levou um integral tratamento de spa, que só uma mangueira privada, mais adiante, ajudou a remover.

Resolvida a questão, avançámos em direção à Bidoeira de Cima, onde nos esperava um saboroso e rico banquete, no Solar do Castanheiro, cortesia do nosso Diretor e que pudemos degustar com a habitual companhia do fiel (e já idoso também) Tobias, o simpático labrador, companheiro e guardião do imóvel, e que engolia a comida sem necessidade de mastigar e devorava chuchus.

De estômago composto, rumámos à Bidoeira de Baixo, onde nos primeiros metros ainda tivemos a companhia do Tobias, que regressou depois ao seu lar.

Escassos metros à frente, encontrámos um amigo, que passeara a sua Beagle e que se apaixonou pelas nossas bicicletas, o que obrigou o seu dono a vir no seu encalço durante algum perímetro.

Na descida para Agodim, numa pequena paragem, o grupo sofreu uma fratura involuntária de 2 elementos, sendo que os restantes 5 fizeram um trilho conhecido e os outros dois atravessaram a ribeira, que também é um "habitué" aquando da passagem por esta zona, tendo aqui avistado duas lustrosas lontras.

Sendo um traçado com um nível de exigência física e técnica abaixo das habituais incursões à serra, estávamos próximos de Leiria ainda bastante cedo, o que nos permitiu ir optando por alguns trilhos "velhos conhecidos" e outros mais divertidos.

Chegados à cidade, foi altura de tirar uma foto em ambiente natalício e do CC rumar ao seu compromisso gastronómico.

Os restantes foram complementar a volta com a subida à Senhora da Encarnação antes de finalizar a volta de 45km e 650D+ na CA.


Nuno Gonçalo Santos

 

Trilhos Sem Fim - Rota dos Bons Sabores

publicado às 15:17

Trilhos Sem Fim na serra em dia de chuva

por Trilhos Sem Fim, em 17.11.19
Trilhos Sem Fim na serra em dia de chuva

publicado às 15:59

Trilhos Sem Fim na Serra outra vez

por Trilhos Sem Fim, em 26.05.19

 

 

Trilhos Sem Fim na Serra outra vez

publicado às 16:36

Trilhos Sem Fim e as flores de Porto de Mós

por Trilhos Sem Fim, em 14.04.19

As previsões meteorológicas não eram consensuais, umas app anunciavam chuva, outras apenas tempo nublado, fosse como fosse, como se diz neste grupo, as bikes não são feitas de cartão, e com base nesta premissa 11 Trilheiros marcaram presença para o arranque de mais um Domingo de convívio velocipédico.

 
À saída decidiu-se que como tinha chovido durante toda a semana e de forma a evitar pedra molhada, o melhor seria ir visitar o Castelo de Porto de Mós e a sua singular arquitetura, construído em 1385 e que garantiu o albergue às tropas que se bateram na Batalha de Aljubarrota. Nestes dias, nesta Vila havia também lugar a um colorido de um trabalhoso e manufaturado tapete de flores, que mereciam a nossa atenção.
 
Encaminhámo-nos então em direção à Barreira e de seguida para os Andreus e daqui para a frente entregámos o aconselhamento de itinerário ao LC, que é sempre uma ideia aventureira e que nos levou a percorrer lúbricos e empedrados carreiros, que embora com as devidas cautelas, íamos fazendo com um sorriso no rosto, brindados com total ausência de precipitação.
 
Nisto de caminhos escolhidos pelo LC temos sempre um aporte de desafio, e o primeiro foi a passagem entre duas árvores que obrigavam a um zigue-zague com o guiador. Liderando pelo exemplo, o nosso Cartógrafo de hoje, passou com distinção, contudo os seguintes optaram por uma passagem mais cautelosa... Contudo, o nosso Diretor entendeu que estavam reunidas todas as condições para uma passagem em segurança e sem percalços... Não foi bem assim. Ficou registado em vídeo!
 

Sinopse

Trilheiros: 11Destino: Porto de Mós
Distância percorrida: 49km
Subida acumulada: 940m
Castelos visitados: 1

Aproximações ao solo:3 (com ligueiras escoriações)
Trilheiros Perdidos: 1
Momentos de degustação de licorosas caseiras: 1
Nível de prazer, amizade e companheirismo: +++++

 
Neste seguimento e antes da descida para Porto de Mós, verificámos que faltava o RM. Voluntariosamente o Cartógrafo do dia, a PP e o LG saíram no seu encalce. Após esta saída e enquanto degustávamos a tradicional Licorosa, o RL vaticinou "Hummm, a PP foi com aqueles dois... então vai cair" e a profecia concretizou-se na famosa palete que em tempos outro Trilheiro também lá deixou a sua Figueira.
 
Seguiu-se a visita ao Castelo, onde constatámos que a "necessidade" de anunciar obra feita leva ao cometimento de atos incompreensíveis como a furação de paredes da cidadela para a colocação de placas. Daqui descemos até à Vila, onde contemplámos a florida alfombra e selámos o reencontro com o Trilheiro que estava em falta. Recompostos pelo reforço, encetámos o caminho de regresso, agora com menos 4 elementos, que devido a compromissos familiares optaram por efetuar um caminho mais célere para não arriscar atrasos.
 
Os restantes decidiram continuar com lote de bons carreiros que haviam vindo a fazer, regressando pelos trilhos do Alqueidão da Serra. Como não há duas sem três, a terceira desmontagem pela parte da frente da bicicleta ficou guardada para o nosso repórter... Passagem que também ficou registada.
 
O restante regresso foi feito via Amoreira, num passo mais rolante, que permitiu "engrossar a média" e abrir o apetite para a reposição de eletrólitos. De referir, que a chegada pontualizou-se às 12h30!
 
Nuno Gonçalo Santos

 

Trilhos Sem Fim e as flores de Porto de Mós

publicado às 18:27

Apesar da meteorologia prever um domingo invernoso, e depois de uma noite de chuva e do granizo de Sábado, estávamos no parque radical 9 trilheiros determinados em fazer desta manhã de domingo, mais um bom início de semana. Depois dos cumprimentos habituais, os 7 TSF’s e os 2 Chou-Bikers que, como se diz nestes dois grupos de BTT, “não têm bikes de cartão” meteram-se a caminho orientando-se para os lados do Arrabal. Fomos pela parte alta da Curvachia, a mais longe da ribeira para fugir à lama e fomos conversando sobre alguns temas da semana, uns mais trágicos que outros, o que nos fez lembrar que a atitude certa é mesmo aproveitar estas manhãs de domingo sempre que podemos, mesmo arriscando um bocadinho, pois até em casa há acidentes.

Na descida para a Várzea o pneu do carteiro não aguentou a pedalada e rasgou lateralmente, obrigando à montagem de uma câmara de ar. A chuva pouca mas já constante, empurrou-nos para debaixo do telheiro do lagar de azeite onde arrefecemos um bocado enquanto os mecânicos trabalhavam. Reparada a avaria e depois de muita conversa subimos até St. Catarina, onde fomos beber um café e comer uns bolinhos caseiros, digo caseiros, pois o Rui P. trouxe-os de casa, às costas, que bem nos soube esta partilha e que bem lhe fica estas atitudes, pode repetir…

A chuva, intermitente, acompanhou-nos praticamente durante toda a manhã, mas nada das enxurradas que vimos no sábado, começo-me a convencer que São Pedro é BTTista! Atravessámos o túnel do IC9, confirmando 3 coisas, que aí nunca chove, que é sempre de noite, e que é uma travessia perigosa, pois este cronista ia caindo tanto na entrada como na saída! O caminho até à Torre foi bem aproveitado, em especial as descidas. Numa delas o Malheiro ia malhando, fazendo jus ao apelido, tendo de sair apressadamente da sua bicicleta quando numa curva ela quis ir a direito abalroando a bike do repórter.

Ao contrário da tradição, não terminámos a manhã no local habitual, fomos até aos Marrazes ver o aparato do campeonato de XCO, fomos ver as atletas cheias de lama, os atletas a tentar não cair naquela lama e encontrar um ou outro amigo, e foi por lá que acabámos por beber a habitual cervejinha.

Cláudio Costa

Trilhos do Arrabal e Santa Catarina, sem vislumbrar o marco geodésico

publicado às 19:14


Sobre nós

Neste blog um grupo de amigos irão falar das suas vivências tendo como fundo uns passeios de bicicleta. À conquista da natureza, ganhando saúde.

MEO Kanal


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D


Visitantes = 160.000 +...